Falta de serviço… dá nisso!

Tenho que confessar que ando meio entediada.

Não que tenha me faltado serviço. Afinal, só de ter três filhos, não falta nunca. Também, a obra na Clínica, completa o resto.

Também, tenho certeza que escolhi o curso certo. Faria Medicina dez vezes. E acho que nunca deixarei de ser médica. Amo o que faço e aqui é o lugar onde eu mais gosto de estar. Esse “corpo a corpo” é o que eu gosto de fazer, atender as pessoas, ter um dia inteiro de trabalho. Gosto de ver alguns casos de doença, embora eu atenda mais estética. Gosto da Medicina.

Não me cansa. Gosto de ser médica. Gosto da estética também. Mas talvez seja a crise dos “40″, sei lá. Ou talvez  seja porque minha mãe morreu e ela era muito, muito, muito habilidosa e eu não queira deixar morrer tudo que a via fazer – a costura, os bordados, as habilidades mil. Realmente não sei. Talvez seja a insegurança do nosso país agora como nunca. Mas ando precisando de um gás novo e resolvi desenvolver meus talentos que nunca investi de verdade: comecei a fazer um curso de Design de Jóias e estou aplicadíssima nisso. E adorando. E estou achando que levo jeito para o negócio!

Aí ontem, montei um currículo e mantei para um curso que talvez abra no Rio, de Design de acessórios (jóias, sapatos, bolsas e beachwear) quinzenalmente. Ô gente, fiquei morrendo de rir sozinha fazendo, porque, acostumada com a plataforma lattes, aqueles currículos mais sérios, com mil xerox de artigos publicados, palestras em congressos, enfim, aquela coisa mais séria possível, saiu isso aqui, olha que divertido:CurriculoOlha, a gente poder se reinventar é bom demais não é? Eu tive a graça de acertar de primeira. Ter sido abençoada por Deus de ter tido a graça de ter escolhido a Medicina e dentro dela, a Dermatologia. E, na Dermatologia, de ter uma Clínica tão maravilhosa e ser cercada de funcionárias tão especiais. Minha Equipe vale a pena vir todos os dias aqui. Minhas Clientes são também assim, valem a pena trabalhar por elas.

Agora, eu estou começando a abrir meus olhos para um novo horizonte. Ainda não sei se vou levar a sério esse caminho de acessórios ou se vai ser só divertimento. Pela minha personalidade, posso apostar que em breve vocês verão colares ali na recepção e, bem provavelmente, terei uma marca. ;)

De antemão, eu quero agradecer a Deus, porque quando eu imagino uma coisa, ela vem por intermédio d’Ele, fluindo. Uma Designer super famosa de Calçados, minha paciente, sem eu pedir, gastou seu tempo, de graça, e deixou aqui na recepção da Clínica um crachá para eu participar do Minas Trend Preview, que tive o prazer em ir nessa última edição. Obrigada, querida, por me proporcionar momentos tão deliciosos! Meus olhos se esbaldaram com tanta coisa linda.

 

CABELOTERAPIA | Névoa Japonesa – uma hidratação maravilhosa!

Ô semaninha, essa nossa, heim? Nervos à flor da pele… Domingo está custando a chegar, não é pessoal? Estou aqui trabalhando e de repente meu marido abre a porta do meu consultório de uma vez e grita:

- Aaaaaaaaaaaaaah! Não consigo pensar em mais nada além dessa eleição!

Ele também é médico (Oftalmologista) e atende aqui na Clínica. Está realmente sofrido, para os dois lados, claro. Nunca presenciamos uma disputa tão acirrada e, acho, importante. Mas estou tentando me distrair.

Sentei aqui para isso, uma leve distração, e vamos falar sobre uma novidade que prometi, muito bacana, que realmente as mulheres estão amando na Clínica: a Névoa Japonesa. Fiquei muito tempo tentando importar esse equipamento japonês, mas não havia dado certo de outras vezes porque não tinham disponível. Mas enfim, o nosso aterrissou aqui em solo belorizontino e cumpre a função de uma potente hidratação como eu pensei que seria:

Névoa JaponesaFazemos uma rica limpeza do couro cabeludo, para tirar bem as impurezas, foligem de poluição e também uma higienização profunda dos fios, com remoção dos resíduos usando produtos da Cris Dios, de São Paulo. Os fios ficam livres para receber uma máscara super-hidratante, rica em aminoácidos e nutrientes e o cabelo vai para a névoa por alguns minutinhos.

Indicação? Qualquer tipo de cabelo que esteja precisando de uma hidratação power! A sessão dura 1 hora. Se você quiser, ao fim, os cabelos podem ser escovados ou secados naturalmente.

Ah! Também não poderia deixar de mostrar algumas fotos da parte capilar feminina da Clínica que está novinha… os detalhes são inúmeros, né? Bem que eu tento ser resumida, colocar poucos detalhes nas salas, decorar pouco, mas não tem jeito.

Espaço Lavanda

Sala Lavanda, para recuperação de cabelos, hidratações mais importantes e tratamentos antiqueda.

Espaço Lavanda 2

Separei a sala masculina, pois os homens ficam constrangidos quando o tratamento é feito perto de mulheres. Temos agora uma sala só para eles! Toda preta, sem frufrus femininos.

Mais da nossa “endless” obra!

Nessa semana, vamos começar a jardinagem da frente da Clínica com a Kat Flores, que sempre faz para mim esse tipo de trabalho. A Kat acabou se tornando uma amiga e é muito bom trabalharmos com pessoas assim. Arrumar o jardim muito alegra meu coração, pois dará um novo ar à nossa entrada. E se a primeira impressão é a que fica, já vai melhorar muito, pois atualmente, tudo que temos é um tapume e muita poeira… Minha esperança é essa seja uma boa hora, pois estou pensando que em algum lugar no céu existam nuvens escondidas vindo em nossa direção para que desça água a partir de novembro, como sempre ocorreu em nossos verões mineiros. Assim, nosso jardim vai pegar bem, a grama vai ficar verdinha, as orquídeas vão florescer… e vai ficar tudo bem bonito para a gente admirar.

Enquanto isso, quero mostrar a sala Erva Doce, nossa sala Facial, que ganhou esse nome por causa da cor predominante na decoração. Eu queria uma sala com “frescor” para Limpeza de Pele e outros tratamentos faciais, que fosse bem clarinha e suave. Quando a Flavinha me mostrou esse mármore branco veiado, vi que era a pedra ideal, pois transmite muito essa ideia. Ele é geladinho e bem claro.  Usamos tanto na bancada quanto no chão:

Sala Erva doce

 Na parede, sobre a bancada, subimos uma facha de pastilha furta-cor que a Flavinha colou pacientemente na parede, pois não gostamos do efeito com rejunte. Começamos com ele, mas o rejunte “matou” a beleza da pastilha. Aí, arrancamos a pastilha, tiramos o rejunte e ela reaplicou com cola própria, depois de alguns testes até dar certo. Todo mundo que entra na sala tem que colocar a mão… ficou muito bonito mesmo. São da Ideale Acabamentos. Quando o lustre acende, realça o brilho e o efeito é muito bonito:

Sala Erva Doce 2

O bombê para guardar nossa rouparia eu mandei laquear em um dos tons exatos do mármore (trouxe o mostruário da loja e coloquei ao lado do mármore, até encontrar um tom certo) e o resultado ficou muito harmonioso. E, obviamente, não poderia faltar as flores gigantes na parede. Nessa sala, são lisiantos.

Sala Erva Doce 3

Amanhã vou tentar falar um pouquinho de nossa nova área capilar, com os tratamentos novos e da Névoa Japonesa, que as mulheres estão adorando porque amacia os cabelos demais!

Um dia após o outro… e aqui vou eu, com minha obra!

Bom dia, queridas!

Praticamente, posso dizer que ressuscitei, após um longo e tenebroso verão, outono, inverno e entrada da primavera…  ah, não, gente, desde que estou fazendo essa endelles obra na Clínica, eu realmente não consigo fazer mais nada além de obra e tomar remédio para dor de cabeça. Minha vida parou… dizem que vai valer a pena. Se eu sobreviver a isso ou não for presa por homicídio doloso, triplamente qualificado, premeditado, por motivo torpe, sem chance de defesa da vítima, eu conto. Porque tem dia que a gente fica deitada pensando em como dar fim em alguém, não é??? Nosso Deus!

Brincadeiras à parte, a casa que compramos realmente é linda, mas é uma casa. E precisamos transformar três andares de casa em três andares de Clínica. E já começa em três andares de tábua corrida em três andares de porcelanato. E comigo atendendo lá dentro. Porque eu não posso parar de trabalhar. Então, exige uma enorme elevação de alma, de espírito e vista “cansada” para não ver o pó daquele lugar enquanto o martelete funciona a todo vapor e eu grito tentando me comunicar com meu paciente… não sei se rio ou se choro.

Mas tenho meus consolos. Meu maior, de todos, meu grande xodó, está na sala Orquídea. Essa bancada que vim aqui mostrar para vocês:

Sala orquídea

Olha que coisa mais linda, mais cheia de graça, essa pedra da MG Mármores. É um ônix paquistano, que estou com medo de colocar armário embaixo e o instalador quebrar a pedra ao instalá-lo (já viu mãe com neném com medo de deixar pegar?). Eu fico horas olhando para ela e passando a mão. É um pedacinho do que já ficou pronto. Nas paredes, estamos mantendo nossa marca registrada, que são as flores gigantes aplicadas.

Essa poltroninha Luís XV também ficou muito charmosa no ambiente e este estofadinho de poá me conquistou desde o primeiro momento que eu vi. Espero que tenham gostado!

E vamos que vamos que hoje estou sem dor de cabeça! Por enquanto! E as mulheres já estão insaciáveis com o Botox porque o fim do ano está chegando e é a época que a gente mais faz lá na Clínica, afinal, quem não quer ficar bem nas fotos e reuniões do fim de ano?

Ao Meu Pai

Pai,

Desejar feliz dia dos Pais é algo óbvio e mecânico.
Fazemos isso automaticamente.
Mas a vida não funciona no modo automático.
É mesmo dirigida a todo instante.
Em muitos momentos, temos o controle, noutros, ela nos leva.
Deus toma a direção, às vezes, e somos conduzidos por Ele.
Noutrora, andamos desgovernados.
Plantamos e colhemos. Mas, às vezes, a fruta não cresce.
Plantamos e colhemos. Às vezes, mais do que merecemos.
Plantamos e colhemos. Às vezes, por nos esforçarmos tanto.
Ainda não aprendi a lógica da vida.
Mas eu bem sei uma coisa, olhando para trás.
Não escolhemos todas as coisas.
Não conseguimos fazer sempre o que planejamos.
O caminho é longo e mesmo incerto.
A vida é mesmo um mistério que vai se revelando a cada dia.
Mas eu bem sei, sei mesmo, Pai.
Que tem certas coisas que não aprendemos.
Não aprendemos a ser honestos.
Não aprendemos a ser gratos a Deus.
Não aprendemos a ter caráter.
Não aprendemos a ter misericórdia.
Não aprendemos a amar ao próximo.
Não aprendemos a ser íntegros.
Isso, Pai, nós absorvemos pelo que observamos.
Pelo o que nossos Pais foram.
Porque eu vi sua honestidade sempre. Ainda na dificuldade, a honestidade imaculada.
Porque vi sua gratidão sempre. Mesmo na hora da morte da Mãe, sua amada esposa.
Porque vi seu caráter smpre. Que é inabalável nos seus quase 70 anos.
Porque vi sua misericórdia com os próximos. Conhecidos e desconhecidos.
Porque vi seu amor às pessoas. A todas elas sempre.
Porque sei, que acima de tudo, em todo momento, eu posso me orgulhar de sua integridade.
Porque o dinheiro vem e vai.
As alegrias chegam e se vão.
As vitórias são efêmeras.
Mas o que nos tornamos, isso, isso realmente é eterno.
E pelo que eu vi em você, eu bem sei o que me tornei.
Sou honesta.
Sou grata.
Sou de caráter justo.
Sou misericordiosa.
Amo meu semelhante.
Sou íntegra.
E se em algum momento me desvio disso, me envergonho.
E retorno ao que preciso ser.
E sei que não posso, por motivo nenhum, não ser assim.
Porque sei que não foi isso que me foi mostrado como exemplo a cada dia.
Mas somente bons exemplos, que valem mais do que qualquer palavra que não foi dita.
Eu realmente te amo.
E me orgulho do que você é.
E do que me tornei por ver você.
Um Pai só pode ter um dia dos Pais feliz se tiver alcançado isso.
Portanto, feliz Dia dos Pais.

Pedro Álvares Cabral e a nossa pressa.

Eu me lembro de uma pesquisa que fiz sobre Pedro Álvares Cabral por volta dos dez anos de idade. Eu adorava fazer pesquisa porque era minha oportunidade de ir sozinha, de ônibus, até a Biblioteca Municipal. O máximo da independência para uma pessoa na primeira década de vida.

Depois de descer do ônibus e andar vários quarteirões sozinha no centro da cidade (o mundo já foi estranhamente um lugar seguro), estava eu lá na Biblioteca Municipal. A bibliotecária, ajeitando seus óculos, consultou uma pasta onde os livros estavam catalogados e em silêncio dirigiu-se até as estantes, onde centenas de livros velhos estavam ordenados sei lá como.Como ela encontrava o livro certo era quase um mistério a ser desvendado… eu fiquei encantada com o conhecimento da senhora. Com precisão, ela puxou um livro e abriu na página exata, apontando para mim um parágrafo onde se lia “PEDRO ALVARES CABRAL”. Um parágrafo. E era tudo. Perguntei se havia mais coisa, e ela respondeu com segurança: “não, mas essa é bem completa”. Copiei o texto caprichosamente na folha de papel almaço aumentando o tamanho da minha letra (para dar impressão que o conteúdo era maior), depois abri delicadamente meu papel de seda transparente, coloquei-o sobre o desenho do Pedro e com o lápis, fui copiando a tal ilustração. Depois, transferi o desenho para o meu papel almaço e o colori. Não preciso dizer que não havia Xerox.

Uma tarde inteira depois, estava pronta a pesquisa, completa de um parágrafo e ilustrada à mão. Fiz isso várias vezes na infância. E era normal. Era sempre assim.

Hoje, digitei aqui no Google PEDRO ÁLVARES CABRAL e visualizei 170.000 resultados em 0,10 segundos. Isso é que é bibliotecária. Escolhi um, depois cliquei em imprimir. A pesquisa ficou pronta, com três páginas e dois minutos gastos entre o início e o fim.

O mundo mudou demais e o tempo agora é quase algo virtual. Eu estava indo viajar na véspera da virada do ano, quando passei na Clínica para buscar meu óculos de sol. Minha secretária avisou que uma mãe estava louca atrás de mim e liguei para ela. Seu filho, meu paciente, acabara de ligar dos Estados Unidos com uma reação aguda na boca e não sabiam o que fazer. Era um quadro muito importante. Pedi para acionar o seguro de saúde, chamar um médico, fotografar para mim os lábios e me enviar. Em menos de dois minutos, eu estava vendo a foto do garoto. No minuto seguinte, enviei uma mensagem para o médico de lá com o diagnóstico e o tratamento sugerido.

Não demoraram quinze minutos entre eu falar com a mãe e o menino receber as orientações. Imagine o Pedro Álvares Cabral tendo uma reação alérgica longe do seu médico. Mas o mais difícil de imaginar é que nem tudo pode ser feito na velocidade do Google. Não há melhora da pele com acne antes de uns 2 meses de tratamento. Os rejuvenescedores levam cerca de 1 mês para deixarem a mostra os primeiros sinais de melhora. Os clareadores, um pouco mais. Antes de 8 meses, não se trata uma micose na unha do pé. E certas coisas, não dermatológicas, podem levar uma vida toda.